Nossas Devocionais

As alianças de Deus com o Seu povo são inquebrantáveis

por

Pr. Paulo Guedes Soares

“Graça e paz a vós da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo”.

Meus irmãos, meditemos hoje em Jeremias 33.23-26: “Veio ainda a palavra do Senhor a Jeremias: Observaste o que este povo está dizendo: O Senhor rejeitou as duas famílias de Israel e Judá, que havia escolhido? E assim desprezam o meu povo, como se não pudesse mais voltar a ser uma nação. Assim diz o Senhor: Se a minha aliança com o dia e com a noite não valesse mais, e se eu não tivesse determinado as leis que governam o céu e a terra, então poderia rejeitar a descendência de Jacó e de meu servo Davi, não escolhendo alguém da sua descendência para governar a descendência de Abraão, Isaque e Jacó. Porque mudarei o seu destino e terei compaixão deles”. Os israelitas caíram na idolatria, esqueceram-se de Deus e de Suas leis, receberam a punição prevista na Lei e agora estavam dizendo que Deus os esquecera, anulara Sua aliança com eles e os abandonara à sua própria sorte. É visível que eles não conheciam a Deus!

A resposta de Deus para eles é uma recordação de que as Suas alianças com o Seu povo são inquebrantáveis: “Assim diz o Senhor: Se a minha aliança com o dia e com a noite não valesse mais, e se eu não tivesse determinado as leis que governam o céu e a terra, então poderia rejeitar a descendência de Jacó e de meu servo Davi, não escolhendo alguém da sua descendência para governar a descendência de Abraão, Isaque e Jacó. Porque mudarei o seu destino e terei compaixão deles”. Nada pode transmitir mais segurança ao coração do crente do que a doutrina da imutabilidade de Deus e da perpetuidade de Suas alianças. É porque Deus não muda, que os crentes são preservados para a salvação eterna: “Pois eu, o Senhor, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois destruídos” (Malaquias 3:6).

Meus irmãos, as nossas fraquezas, inconstâncias e infidelidades não mudam o agir gracioso de Deus sobre aquele que creu em Jesus: “se somos infiéis, ele permanece fiel; pois não pode negar a si mesmo” (2Timóteo 2:13), visto que “os dons e o chamado de Deus são irrevogáveis” (Romanos 11:29). Mesmo pensando que muitas vezes mereçamos o castigo eterno, a Palavra de Deus nos faz voltar o olhar para observar como Deus nos vê: “Pois ele conhece nossa estrutura; lembra-se de que somos pó” (Salmo 103:14). Esses textos bíblicos são uma permissão para o crente viver no pecado? Não, porque fomos chamados para a santificação: “QUE diremos pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde? De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?” (Romanos 6:1‭-‬2). Esses textos apenas nos incentivam a confiar em Cristo e saber que, apesar das nossas falhas, nós fomos chamados por um Deus que não muda os Seus planos, apesar das nossas fraquezas e limitações: “MEUS filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo; E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas, também, pelos de todo o mundo” (1João 2:1‭-‬2).

Deus vos abençoe, meus irmãos, juntamente com vossas famílias. Amém!

Foi abençoado? Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram